Como fazer a gestão de RH em pequenas e médias empresas?

Como fazer a gestão de RH em pequenas e médias empresas?

Quando falamos em política de RH em pequenas e médias empresas, a primeira objeção que surge é quanto ao custo de ter um departamento como esse dentro de uma pequena estrutura, onde os recursos são naturalmente escassos para grandes investimentos.

É evidente que essa condição deve ser levada em conta. O que o empresário não pode abrir mão é de ter uma política bem estruturada de RH. Se não é possível ter um departamento, o que realmente é bastante oneroso e pode ser até desnecessário, que seja um profissional da área encarregado.

Se mesmo ter um profissional remunerado full time não é possível, pode-se recorrer a um misto de consultoria e assessoria ou, em último caso, qualificar um gestor para estruturar essas políticas.

O importante é que, assim como nas grandes corporações, a gestão de RH em pequenas e médias empresas é necessária, pois é o ponto nevrálgico de interação entre o profissional e a empresa, que é o que nós vamos comprovar nos tópicos a seguir.

Planejamento

Repare que toda empresa, e forma melhor ou menos elaborada, possui um planejamento estratégico, que é o documento que dá uma visão geral de onde está, onde e como pretende chegar.

A partir desse planejamento estratégico, as diversas áreas desenvolvem o seu planejamento específico. O setor financeiro faz um planejamento financeiro, enquanto o de marketing faz o planejamento de marketing.

E o planejamento de RH? Por que ele também é importante?

Porque para cumprir todos os outros planos é preciso que haja pessoas capazes de cumpri-los. Quem faz a contratação?
Quem alinha os perfis às necessidades e valores da empresa? Quem cuida do desenvolvimento dos colaboradores?

A gestão de RH em pequenas e médias empresas implica na visão de todas essas tarefas no longo prazo, alinhada com as metas da empresa e previsão de crescimento.

Contratando e integrando

Uma política de contratações não é algo simples. Ela compreende do momento em que se estabelece a forma de prospectar valores à conclusão da integração do novo colaborador à empresa.

Para isso, é preciso que haja uma integração entre o RH e a direção da empresa, com conhecimento das diversas interações entre pessoas e departamentos, das capacidades necessárias para o desenvolvimento das tarefas, das características presentes e ausentes na atual equipe e, finalmente, da visão e dos valores da empresa, com os quais o novo valor contratado precisa estar alinhado.

Tudo isso irá ajudar numa integração rápida e satisfatória, que gere grandes resultados. Ou seja, não há aleatoriedade num processo de recrutamento de pessoal.

Estímulo à comunicação

Quem já ouviu falar em endomarketing e tem noção do que seja sabe da importância da comunicação interna.

Essa é uma variável que tem que ser pensada o tempo todo.

As informações chegam a todos para quem elas são designadas? Há compreensão de todos com relação aos valores, ao código de ética, às normas e procedimentos da empresa? Todas as informações estão facilmente disponíveis? Há canais bem estruturado de comunicação entre gestores e funcionários? Essa comunicação é truncada ou fluida? Existe um sistema bem estruturado para oferecer respostas às dúvidas e reivindicações?

Essas perguntas precisam ser feitas por alguém e cabe ao RH fazê-las, assim como procurar desenvolver soluções para que essa comunicação interna seja eficiente.

Motivação

Muitas vezes, o papel do RH na motivação dos colaboradores começa na escolha do líder adequado para determinada posição, que também é uma tarefa árdua e complexa, que requer os conhecimentos específicos de RH.

Esse é, no entanto, apenas um dos aspectos da participação do RH no espectro motivacional. A gestão de RH em pequenas e médias empresas pode ser um dos canais que a leva ao crescimento.

Por que isso?

Porque ser uma pequena ou média empresa não deve ser entrave para que se pense como uma empresa grande – afinal o objetivo é mesmo esse, não é verdade?!

Isso significa reter talentos, razão pela qual mantê-los motivados é essencial, não só pelo estabelecimento de políticas salariais e de benefícios satisfatórias, mas ajudando a construir um ambiente de crescimento profissional num ambiente agradável e adequado ao exercício das tarefas específicas da atividade da empresa e de cada departamento.

Esperamos, com esse artigo, ter oferecido ao leitor uma boa visão sobre por que a gestão de RH em pequenas e médias empresas é tão importante e, para que você continue aprendendo sobre este assunto, confira também algumas ferramentas de gestão para deixar o seu RH estratégico.

Anterior Por que investir no desenvolvimento de recursos humanos em pequenas e médias empresas?
Próxima 3 dicas para estruturar a gestão de pessoas em PMEs

About author

Joyce Bambach Luiz
Joyce Bambach Luiz 103 posts

Gerente de Marketing e Relacionamento da 4Linux e da Rankdone, com mais de 11 anos de experiência no segmento de tecnologia.

View all posts by this author →

Você pode gostar também

Recursos Humanos

Como utilizar a gamificação nos processos de seleção e recrutamento de candidatos

Não é novidade nenhuma afirmar que o que há de mais valioso em uma empresa são as pessoas. Os funcionários são os responsáveis por fazer tudo acontecer e ainda garantem

Recursos Humanos

Vaga de Estagiário – Uma vaga. Um futuro. – Vagas encerradas

Você quer saber o que é estar numa Startup e não ser apenas um número? Participar de execuções que são importantes e fazem a diferença para clientes? Compartilhe este post:

Recursos Humanos

Feedbacks de RH – Conheça alguns formatos e saiba aplicar

Infelizmente, muitos líderes ainda insistem em broncas e sermões no processo de correção de desempenho de um funcionário, o que sempre causa insatisfação entre todos. Um departamento de recursos humanos